Acesso a
profissionais
Público

Cutânea

A microbiota cutânea é extremamente diversificada. A sua composição varia de acordo com a zona cutânea e entre indivíduos, e seu desequilíbrio está associado a doenças de pele.

A microbiota cutânea é particularmente complexa, com variações inter e intraindividuais extremamente significativas.1 É composta por um conjunto de microrganismos, bactérias, leveduras, vírus e parasitas. Pelo menos 19 grandes famílias de bactérias foram identificadas: as principais são Actinobacteria (Corynebacterium, etc.), Firmicutes (Staphylococcus, Streptococcus, etc.) e Proteobacteria (Acinetobacter, etc.).1,2 Entre as estirpes bacterianas presentes na pele saudável, as principais encontradas são Corynebacterium jeikeium, Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus e Staphylococcus epidermidis.3 A composição da microbiota varia de acordo com a localização, variando de 100 microrganismos por cm2 nas costas ou nas pontas dos dedos até 106 na testa ou nas axilas.2

Esta microbiota desenvolve-se desde o nascimento, como resultado do contacto com a flora vaginal após um parto vaginal ou com a flora do estômago, no caso de uma cesariana. Depois vai mudando com a idade.5 Também varia de acordo com o género4 e é influenciada pelo estado de saúde e estilo de vida de um indivíduo: estado imunitário, higiene, utilização de antibióticos, cosméticos, tipo de roupa, profissão, clima, localização geográfica ou exposição a UV.1,2,6

Em adultos, a superfície da pele representa 1,5 a 2 metros quadrados, pelo que a microbiota cutânea desempenha um papel defensivo fundamental contra os agentes infeciosos circundantes. S. epidermidis, por exemplo, produz peptídeos antimicrobianos e o Propionibacterium acnes contribui para a acidez da pele.2 Estas duas estirpes também estão envolvidas na imunidade tópica.7 Além disso, esta microbiota pode modular o sistema imunitário sistémico, da mesma forma que a microbiota intestinal.8,9

Interações entre esses microrganismos são inúmeras e as perturbações neste equilíbrio estão associadas a problemas de pele como acne, doenças tal como psoríase ou dermatite atópica, ou até mesmo a cicatrização anormal de feridas.2

Fontes
1- Catherine Dunyach-Remy et al. Le microbiote cutané: étude de la diversité microbienne et de son role dans la pathogénicité. Revue Francophone des Laboratoires, Février 2015 – N°469 : 51-58. http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S1773035X15728212?via=sd
2- A. Schwiertz (Ed.) Microbiota of the Human Body. Advances in Experimental Medicine and Biology 902: 61-81. http://link.springer.com/book/10.1007%2F978-3-319-31248-4
3- Chiller K et al. Skin microflora and bacterial infections of the skin. J Investing Dermatol Symp Proc 2001; 6: 170-4. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11924823
4- Fierer N. et al. The influence of sex, handedness and washing on te diversity of hand surface bacteria. Proc Natl Acad Sci USA 2008; 105:17994-9. http://www.pnas.org/content/105/46/17994.abstract
5- Somerville DA. The normal flora of the skin in different age groups. Br J Dermatol 1969;81:248-58. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/5778713
6- McBride ME et al. The environment and the microbial ecology of human skin. Appl Environ Microbiol 1977; 33:603-8. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC170732/
7- Christensen GJM et al. Bacterial skin commensals and their role as host guardians. Benefic microbes 2014 ; 5 : 201-215. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24322878
8- Belkaid Y et al. Dialogue between skin microbiota and immunity. Science 2014 ; 346 :954-959. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25414304
9- Nakamizo S et al. Commensal bacteria and cutanueous immunity. Semin Immunopathol 2015 ; 37 ;73-80. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25326105

Patologias

A disbiose pode causar várias doenças com impacto em diferentes orgãos.

Modular a microbiota

Uma modulação da microbiota para um reequilíbrio é possível. Existem 1 processos no presente.

  • Probióticos

    A OMS define probióticos como “microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem um benefício à saúde do hospedeiro”.
    Voir

As várias microbiotas

Microbiota intestinal

A microbiota intestinal é um órgão por si só.
Graças à metagenómica está melhor caracterizada e conta-nos gradualmente os seus segredos. Sendo altamente diversificada, vive em estreito relacionamento com o seu hospedeiro. Formada desde o nascimento, é específica de cada indivíduo e cumpre diferentes funções dentro do corpo: efeito barreira, funções tróficas, metabólicas e imunitárias, etc., além de outras que ainda têm de ser esclarecidas.

Voir

Microbiota vaginal

A microbiota vaginal é um ecossistema constituído por microrganismos, em que predomina o género Lactobacillus. O seu equilíbrio é frágil e mudanças na sua composição causam infeções.

Voir

Microbiota ORL

A microbiota ORL é uma microbiota extremamente diversificada, que se assume incluir pelo menos 700 espécies diferentes.

Voir

Microbiota Cutânea

A microbiota cutânea é extremamente diversificada. A sua composição varia de acordo com a zona cutânea e entre indivíduos, e seu desequilíbrio está associado a doenças de pele.

Voir

Microbiota Pulmonar

A microbiota pulmonar foi desconhecida durante muito tempo, já que era comumente aceite que os pulmões saudáveis eram estéreis. Este paradigma foi posto em dúvida com a descoberta dos vários tipos de microbiota humana.

Voir

Microbiota Urinária

A microbiota urinária foi descoberta muito recentemente e só agora começou a ser descrita. Desequilíbrios nesta flora podem estar associados a problemas no trato urinário.

Voir
Biocodex Microbiota Institute

Biocodex Microbiota Institute: um lider internacional em Microbiota

Voir