Endometriose e Microbiota: quais são as ligações?

Sintomas, diagnóstico, tratamento, eventuais associações com a microbiota... Por ocasião do mês de consciencialização da endometriose, o Instituto da Microbiota dá a palavra a três especialistas. Decifrar essa doença inflamatória crónica, ignorada durante muito tempo e ainda mal diagnosticada.  

Publicado em 25 Março 2022
Atualizado em 31 Agosto 2023

Sobre este artigo

Publicado em 25 Março 2022
Atualizado em 31 Agosto 2023

Sumário

Sumário

“O diagnóstico da endometriose baseia-se primeiro no diálogo com a paciente” 

Dr. Erick Petit

(sidenote: Dr. Erick Petit, médico radiologista, fundador e responsável do Centro de endometriose do grupo hospitalar Paris Saint-Joseph, presidente da RESENDO (Rede Hospital Público Endometriose), membro dos comités de direção do setor da endometriose EndoSud-IDF e da estratégia nacional contra a endometriose, coautor de: Tudo sobre a endometriose, aliviar a dor, tratar a doença (Edições Odile Jacob, 2019). )

médico radiologista, fundador e responsável do Centro da endometriose do grupo hospitalar Paris Saint-Joseph

Erick Petit : A endometriose tem uma história antiga, sinuosa, para não dizer movimentada. Se os sintomas da doença são conhecidos desde há 4000 anos, será preciso esperar até o fim do século XIX para que essa doença seja reconhecida como orgânica. Imagine quase 4000 anos de diagnósticos imprecisos. A primeira descrição clínica da endometriose data de 1855 antes da nossa era, numa mulher egípcia. A doença foi, de seguida, investigada no seu corpus clínico pelos gregos por volta de 500 a.C. É nessa época que os sintomas foram claramente identificados e que a endometriose foi associada à menstruação. De seguida, a doença caiu no limbo da psique feminina até à Renascença. Hysterikos sendo o termo grego dado ao útero, os médicos divertiram-se com essa suposta doença inventada do nada por mulheres chamadas de histéricas. Durante esse tempo, a dor era bem real... 

Durante séculos a mulher ficou presa à normalidade da dor. Foram criadas instituições para interná-las e marginalizá-las. Foi apenas no século 19, graças ao trabalho de um médico austríaco, Karel Rokitansky, que a endometriose foi comprovada histologicamente pela primeira vez, em 1860¹. 

Porque o diagnóstico da endometriose é tão demorado e tão complexo? 

E. P. : Mesmo que o exame de referência continue a ser o ultrassom transvaginal (ou uma IRM se a jovem for virgem, sendo este exame menos sensível e menos específico), eu estou convencido de que as imagens não dizem tudo. É preciso comparar os resultados das imagens com os dados clínicos, ter tempo para escutar a paciente. É por isso que, dentro da rede (sidenote: https://www.resendo.fr/ ) , usamos um questionário clínico com perguntas direcionadas que permitem especificar melhor as dores da paciente. Mas o diagnóstico de endometriose é comprovado em 9 de cada 10 casos. Para nós, a base do diagnóstico é primeiro a escuta, o diálogo. Por falta de tempo, ninguém tem tempo para conversar, nem que seja durante 15 minutos, com uma paciente. 

Entretanto, é fazendo as perguntas certas às pacientes que conseguimos estabelecer um diagnóstico confiável e tirar mulheres, que estão às vezes há 10 anos, de um diagnóstico impreciso2! Hoje, faltam estudos epidemiológicos em grande escala, mas sinais tangíveis fazem pensar que a prevalência aumentou nos últimos anos. Convém dizer que uma em cada dez mulheres é afetada pela endometriose. Seria mais uma em cada sete mulheres, ou mesmo cinco, em idade fértil2

1/10 É comum dizer que uma em cada dez mulheres sofre de endometriose

10 anos Algumas mulheres ficam com um diagnóstico impreciso por muitos anos, às vezes mais de 10 anos.

#1 Endometriose represanta a 1.ª causa de hipofertilidade

Existe um perfil típico de mulher afetada pela endometriose? Quais são as consequências?

E. P. : A patologia é complexa e multifatorial. Sendo assim, não há um perfil típico. Eu diria que existem tantas formas quanto mulheres. Com essa doença, não há uma correlação anatomoclínica. Ou seja, algumas mulheres podem ter uma endometriose muito grave no plano anatómico, sem tantas dores. Ao contrário, outras podem ficar muito incapacitadas e ter uma endometriose leve. Essa doença representa a 1.ª causa de hipofertilidade², que é a segunda consequência da endometriose, para além das dores. Na verdade, existe uma correlação entre a dimensão das lesões e a fertilidade. Mas que não está obrigatoriamente ligada à dor. 

Quais são os sinais precoces?

E. P. : A doença aparece logo nas primeiras menstruações. Daí a importância de observar bem a jovem durante esse período. As dores são intensas? Ela precisa ficar de cama durante a sua menstruação? A ausência escolar também é um bom indicador. A menstruação precoce (antes dos 11 anos), assim como o facto de ter uma mãe ou uma irmã afetada pela endometriose, representam fatores de risco. Para evitar um diagnóstico impreciso e um tratamento muito tardio, eu luto há vários anos para integrar nas consultas das jovens entre os 11 e os 13 anos uma consciencialização da endometriose. 

Além disso, quase 100% das pacientes que sofrem de endometriose também têm a síndrome do cólon irritável. Esses sintomas digestivos também podem ser um indicador da doença e, às vezes, o único, por isso é essencial consciencializar igualmente os gastroenterologistas.

Qual é o tratamento?

E. P. : Ele ainda é muito imperfeito e baseia-se principalmente na hormonoterapia. É necessário um tratamento multidisciplinar:  

Tratamento hormonal

O tratamento hormonal vai permitir parar a menstruação, portanto as dores, assim como a evolução da doença.

Cirurgia

Nas formas mais graves, a cirurgia pode ser útil para retirar as lesões da endometriose (isso abrange cerca de 1/3 das pacientes)

Tratamento da dor

Tratamento da dor: medicamentoso e também com recurso às medicinas alternativas, muito eficazes: hipnose, osteopatia, acupuntura, electroestimulação... 

Tratamento nutricional

Um tratamento nutricional também permite reduzir as dores e melhorar muito significantemente os problemas funcionais intestinais constantes: é um componente indispensável.

Imagem

Ginecologia

O essencial sobre microbiota em ginecologia!

 

“Alguns sinais clínicos confortam a hipótese de uma relação entre a microbiota e a endometriose”

Vanessa Gouyot

 

(sidenote: Vanessa Gouyot: dietista há 20 anos, micronutricionista especializada no tratamento nutricional da endometriose na rede RESENDO. Detentora de uma experiência hospitalar desde 2003 e de uma colaboração em projetos de pesquisa, asseguro uma consulta liberal em Levallois-Perret, assim como na Clinique du Landy, na cidade de Saint Ouen sur Seine. Bioquímica diplomada pela Universidade Paris XII e micronutricionista diplomada pela Faculdade de Medicina de Dijon, também sou especialista nos meios de comunicação em nutrição e participei na escrita de 2 livros sobre endometriose com a RESENDO. )

Quels sont les liens connus entre l’endométriose et les microbiotes ?

Vanessa Gouyot : Mesmo sendo cada vez mais tangíveis, essas relações ainda não foram confirmadas. Atualmente, nenhum estudo científico permite oficializar as relações entre a endometriose e a disbiose observada nas diferentes microbiotas do corpo humano3. No entanto, a medicina apresenta-nos sinais clínicos4 que reforçam essa hipótese. Assim, na vertente dietética, sabe-se hoje que 90% das mulheres afetadas pela endometriose sofrem também de problemas digestivos associados (síndrome do intestino irritável ou má digestão). Durante as minhas consultas, encontro um grande número de pacientes que declaram ter um desequilíbrio da sua microbiota, seja bucal, gástrica e/ou intestinal. Uma hipótese parece então surgir: a endometriose é uma doença inflamatória que se serviria do limo “fértil” e inflamatório do tubo digestivo (ou seja, inflamação digestiva de baixo grau) para se desenvolver.  

90% das mulheres afetadas pela endometriose também têm problemas digestivos associados

A microbiota poderia, no entanto, ajudar a diagnosticar mais rapidamente a doença?

V. G. : A endometriose é uma doença inflamatória crónica, complexa e com um diagnóstico frequentemente tardio. A fisiopatologia da endometriose envolve diversas hipóteses sem que se possa determinar a mais sólida. A microbiota intestinal é uma pista promissora que abre novas perspetivas de pesquisa para melhor compreender as causas dessa patologia5. No final, o que se poderia conceber é que não é necessariamente uma avaliação da endometriose via microbiota, mas sim um melhor diagnóstico da inflamação digestiva6,7 graças à evolução da microbiota.  

O diagnóstico da endometriose não pode acontecer sem uma abordagem clínica holística. Hoje em dia, quando recebo uma nova paciente que sofre de endometriose, revemos não só todo o seu modo de vida, ou seja, a sua alimentação, mas também o que ela bebe, o ar que ela respira... Voltamos até mesmo ao nascimento pois, sabe-se, os primeiros meses de vida são determinantes na formação da microbiota. Durante a minha anamnese, também interrogo a minha paciente sobre a existência de problemas digestivos anteriores à sua primeira menstruação. É uma estatística onde é preciso dar um passo atrás, mas quase 90% das minhas pacientes que sofrem de endometriose tinham problemas digestivos anteriores à sua primeira menstruação. 

A minha missão é fazer com que as minhas pacientes compreendam que o tubo digestivo é uma zona de passagem que é agredida permanentemente. Essas agressões podem levar a uma alteração do sistema digestivo e gerar inflamações. A essa abordagem holística, convém acrescentar uma dimensão pluridisciplinar, incluindo o médico geral, ginecologista, algologista, fisioterapeuta,.. Tudo deve ser feito para não deixar as pacientes com um diagnostico impreciso. Estou convencida de que é através de um percurso de cuidados combinados e pluridisciplinares que conseguiremos proporcionar um diagnóstico precoce e o melhor tratamento das pacientes afetadas pela endometriose. 

Vanessa Gouyot :

“A fisiopatologia da endometriose envolve diversas hipóteses sem que se possa determinar a mais bem-sucedida. A microbiota é uma hipótese entre tantas outras. ”

No final, a microbiota poderia ser útil para futuros tratamentos?

V. G. : A pesquisa sobre a microbiota8,9 avança rapidamente. Ela traz muitas esperanças e deveria, a médio prazo, reduzir o tempo de diagnóstico para as pacientes afetadas pela endometriose e que sofrem de problemas digestivos. Hoje, a ingestão de probióticos faz parte das soluções implementadas para restaurar a flora intestinal e reduzir a inflamação. O problema é a falta de conhecimento relativa à sua utilização. 

É preciso saber que um probiótico sozinho não é a cura de uma hiperpermeabilidade intestinal, sendo que ele ajuda, mas não restaura. Algumas pacientes estimam que não precisam disso, outras ingerem, mas de maneira irregular, outras ainda abandonaram a sua dieta pois, segundo elas, o tratamento não fazia qualquer efeito... É preciso, por isso, ter tempo não apenas para explicar, garantir, mas também adaptar o tratamento em função das necessidades. O que se procura num tratamento com probióticos é devolver a autonomia à nossa paciente, que ela escute mais os sinais enviados pelo seu organismo. Voltar a uma vida normal, com redução dos sintomas dolorosos é, para nós, a mais bela das vitórias. 

Imagem

O que são os probióticos?

Infográficos para partilhar com seus pacientes

 

“A alimentação tem um papel fundamental no alívio das dores digestivas relacionadas com a endometriose”

Dr Laetitia Viaud Poubeau

(sidenote: Dra. Laetitia Viaud Poubeau, Doutorada em medicina, especializada em medicina funcional e nutricional. Com um doutoramento em medicina geral, enriqueceu o seu currículo com diversas formações em micronutrição. A descoberta da relação entre o impacto da saúde da microbiota e as diversas patologias ditas de civilização tornaram-se uma paixão. O conjunto dessas competências adquiridas permitem-lhe satisfazer mais eficazmente as necessidades dos seus pacientes. )

Em caso de endometriose, a nutrição pode ter um papel no reequilíbrio da microbiota? 

Laetitia Viaud Poubeau : A nutrição anti-inflamatória, do tipo mediterrâneo, a adotar em caso de endometriose, só pode ser benéfica para a microbiota intestinal. 
Rica em legumes, frutas, leguminosas, cereais integrais, mas também em ácidos gordos ômega 3, que são, ao mesmo tempo, prebióticos e anti-inflamatórios, essa nutrição propicia o desenvolvimento de uma flora eubiótica, rica em bifidobactérias e lactobacilos12-13

Essa nutrição permite otimizar a síntese de ácidos gordos de cadeia curta, como o butirato, combustível da microbiota e das células intestinais13-14.

O benefício é triplo:  proporcionar o equilíbrio da microbiota intestinal, lutar contra a permeabilidade intestinal e assim diminuir a inflamação de baixo grau subjacente.

Quais são os alimentos a banir em caso de endometriose?

L. V.-P. : A “Western Diet”11,15, ou seja, o regime ocidental rico em alimentos processados, em açúcar refinado, em sal, em gorduras saturadas (carne vermelha, por exemplo) e gorduras trans (panificados, por exemplo)16, é nocivo ao equilíbrio microbiano intestinal. Essa alimentação origina uma disbiose intestinal e uma inflamação de baixo grau. As bebidas tipo refrigerantes, xaropes, sumos de frutas, bebidas destiladas, devem igualmente ser evitadas. 

Estudos mostram também o benefício de reduzir o consumo de glúten11,17,18 que, pela ativação da (sidenote: Zonulina Proteína envolvida na regulação da permeabilidade epitelial e endotelial.
Ela é produzida, entre outros, ao nível hepático e na superfície dos enterócitos da mucosa intestinal, agindo ao nível das junções apertadas. Fasano A. Intestinal permeability and its regulation by zonulin: diagnostic and therapeutic implications. Clin Gastroenterol Hepatol. 2012 Oct;10(10):1096-100.
)
, proporciona a abertura das junções apertadas e reforça a inflamação sistémica. 

Em contrapartida, o consumo de produtos lácteos animais não parece favorecer um aumento do risco de endometriose19,20. Mas a sua concentração de hormonas do crescimento pode reforçar o terreno hiperestrogénico relativo às pacientes que sofrem de endometriose21. Além disso, uma hipersensibilidade às proteínas do leite mantém uma inflamação de baixo grau11. 

Também é preciso ter atenção ao impacto dos aditivos, desreguladores endócrinos, antibióticos agroalimentares, pesticidas e outros poluentes químicos, numerosos nos nossos alimentos, que alteram o equilíbrio das nossas microbiotas. 

Alimentos a evitar em caso de endometriose:

  • alimentos processados
  • açúcar refinado
  • sal
  • gorduras saturadas (carne vermelha...) 
  • gorduras trans (produtos panificados...)
  • refrigerantes, xaropes, sumos de frutas
  • bebidas destiladas
  • reduzir o consumo de glúten

Quais são as consequências de um regime tipo ocidental (“Western Diet”) na microbiota intestinal? Esse regime é responsável pelos problemas gastrointestinais observados na endometriose? 

L. V.-P. : A disbiose intestinal causada pelo regime ocidental proporciona o desenvolvimento dos bacilos gram-negativos. Essas bactérias carregam um padrão molecular tipo lipopolissacarídeo (LPS), na origem da endotoxemia metabólica e da ativação de uma inflamação de baixo grau, via a ativação do recetor TLR411,22,23 

Essa disbiose induzida traduz-se no desconforto intestinal, que pode ir da obstipação à diarreia. Pode-se também observar inchaço, espasmos intestinais, gases com mais ou menos odor, reforçando então o desconforto das pacientes que sofrem de endometriose. 

Nesse caso, um regime sem FODMAPs (“Fermentable Oligo, Di, Monosaccharides And Polyols”) ou de fácil digestão, pode ser introduzido na fase inicial de reequilíbrio alimentar, para aliviar rapidamente as pacientes24. O regime de fácil digestão é um modelo alimentar que visa reduzir a inflamação e proporcionar a cicatrização da mucosa intestinal. Ele baseia-se em regras higienodietéticas simples: excluir alimentos e frutas cruas, limitar citrinos e frutas cítricas, excluir a lactose e o glúten, excluir bebidas irritantes como o café, bebidas destiladas e refrigerantes. Ele pode ser mantido de entre 4 a 6 semanas, revela-se menos restritivo do que o regime sem FODMAPs e, sobretudo, não altera o equilíbrio da flora intestinal, ao contrário do regime sem FODMAPs, que vai reduzir a concentração das bifidobactérias endoluminal25

Gastroenterologia

Tudo o que você precisa saber sobre a microbiota em gastroenterologia!

Na França, durante todo o mês de março, o Biocodex Microbiota Institute e a Foundation for Endometriose Research estão se mobilizando para conscientizar o público em geral e os profissionais de saúde sobre as possíveis ligações entre a microbiota e a endometriose. A Fundação para Pesquisa em Endometriose, sob a égide da FRM, apoia projetos de pesquisa sobre endometriose. Você é um pesquisador? Profissional de saúde ? Quer apresentar seu projeto? A próxima chamada de projetos do FRE acontecerá em maio de 2022.

Para participar, acesse https://www.fondation-endometriose.org/ 

Eles apoiam este artigo:

Recomendado pela nossa comunidade

"🥺 Há quase 12 anos que me debato com este problema e ver finalmente que há alguma sensibilização para ele enche-me o coração ❤️" - Comentário traduzido de Sharaya💋

"Obrigado por partilhar. Ponto de vista interessante." - Comentário traduzido de Ian

"Projeto muito bom" - Comentário traduzido de Serega

(Da Biocodex Microbiota Institute em X)

BMI 22.07
Fontes

1. Nezhat C, Nezhat F, Nezhat C. Endometriosis: ancient disease, ancient treatments. Fertil Steril 2012 ; 98 (6 Suppl) : S1-62.

2. Kvaskoff M. Epidémiologie de l’endométriose. In : Petit E, Lhuillery D, Loriau J, Sauvanet E. Endométriose : Diagnostic et prise en charge. Issy-les-Moulineaux : Elsevier Masson ; 2020. P.9-14.

3. Yuan M, Li D, Zhang Z, et al. Endometriosis induces gut microbiota alterations in mice. Hum Reprod. 2018 Apr 1;33(4):607-616. 

4. Svensson A, Brunkwall L, Roth B, et al. Associations Between Endometriosis and Gut Microbiota. Reprod Sci. 2021 Aug;28(8):2367-2377.

5. Huang L, Liu B, Liu Z, et al. Gut Microbiota Exceeds Cervical Microbiota for Early Diagnosis of Endometriosis. Front Cell Infect Microbiol. 2021 Dec 7;11:788836.

6. Guo S, Al-Sadi R, Said HM, et al. Lipopolysaccharide causes an increase in intestinal tight junction permeability in vitro and in vivo by inducing enterocyte membrane expression and localization of TLR-4 and CD14. Am J Pathol. 2013 Feb;182(2):375-87.

7. Jayashree B, Bibin YS, Prabhu D, et al. Increased circulatory levels of lipopolysaccharide (LPS) and zonulin signify novel biomarkers of proinflammation in patients with type 2 diabetes. Mol Cell Biochem. 2014 Mar;388(1-2):203-10.

8. Jiang I, Yong PJ, Allaire C, et al. Intricate Connections between the Microbiota and Endometriosis. Int J Mol Sci. 2021 May 26;22(11):5644.

9. Ata B, Yildiz S, Turkgeldi E, et al. The Endobiota Study: Comparison of Vaginal, Cervical and Gut Microbiota Between Women with Stage 3/4 Endometriosis and Healthy Controls. Sci Rep. 2019 Feb 18;9(1):2204. 

10. Holscher HD, Dietary fiber and prebiotics and the gastrointestinal microbiota. Gut Microbes. 2017 Mar 4;8(2):172-184.

11. Panizza D. L’intestin et le poids. De la dysbiose au surpoids, de l’inflammation à l’obésité. Muret: Edition Géo Reflet; 2017. 

12. Missmer SA, Chavarro JE, Hankinson SE, et al. A prospective study of dietary fat consumption and endometriosis risk. Hum Reprod. 2010 Jun; 25(6): 1528-35.

13. Louis P, Flint HJ. Formation of propionate and butyrate by the human colonic microbiota. Environ Microbiol. 2017 Jan; 19(1):29-41.

14. Brahe LK, Astrup A, Harsen LH. Is butyrate the link between diet, intestinal microbiota and obesity-related metabolic diseases? Obes Rev. 2013 Dec;14(12):950-9.

15. Zinöcker MK, Lindseth IA. The Western Diet-Microbiome-Host Interaction and Its Role in Metabolic Disease. Nutrients. 2018 Mar 17;10(3):365. 

16. Yamamoto A, Harris HR, Vitonis A et al. A prospective cohort study of meat and fish consumption and endometriosis risk. Am J Obstet Gynecol. 2018 Aug; 219(2):178.e1-178.e10.

17. Marziali M, Venza M, Stolfi VM. Gluten-free diet: a new strategy for management of painful endometriosis related symptoms? Minerva chir. 2012 Dec; 67(6):499-504.

18. Marziali M, Capozzolo T. Role of Gluten-Free Diet in the Management of Chronic Pelvic Pain of Deep Infiltranting Endometriosis. J Minim Invasive Gynecol. Nov-Dec 2015; 22(6S):S51-S52.

19. Xiangying Qi, Wenyan Zhang, Mingxiu Ge, et al. Relationship Between Dairy Products Intake and Risk of Endometriosis: A Systematic Review and Dose-Response Meta-Analysis. Front nutr. 2021 Jul 22;8:701860.

20. Nodler JL, Harris HR, Chavarro JE, et al. Dairy consumption during adolescence and endometriosis risk. Am J obstet Gynecol. 2020 Mar;222(3):257.e1-257.e16.

21. Maruyama K, Oshima T, Ohyama K. Exposure to exogenous estrogen through intake of commercial milk produced from pregnant cows. Pediatr int. 2010 Feb; 52(1):33-8.

22. Guo S, Al-Sadi R, Said HM, et al. Lipopolysaccharide causes an increase in intestinal tight junction permeability in vitro and in vivo by inducing enterocyte membrane expression and localization of TLR-4 and CD14. Am J Pathol. 2013 Feb;182(2):375-87.

23. Boroni Moreira AP, Fiche Salles Texeira T, Barbosa Ferreira A, et al. Influence of a high-fat diet on gut microbiota, intestinal permeability and metabolic endotoxaemia. Br J Nutr. 2012 sept;108(5):801-99.

24. Moore JS, Gibson PR, Burgell RE et al. Endometriosis in patients with irritable bowel syndrome: Specific symptomatic and demographic profile, and response to the low FODMAP diet. Aust NZJ Obstet Gynaecol. 2017 Apr; 57(2):201-205. 

25. Heidi Maria Staudacher. Nutritional, microbiological and psychosocial implications of the low FODMAP diet. J Gastroenterol Hepatol. 2017 Mar; 32 Suppl 1:16-19.

    Leia também