DNA bacteriano está presente no líquido amniótico

Actu GP : Le fœtus humain en plein bain bactérien ?

Investigadores confirmaram a presença de DNA bacteriano no líquido amniótico de grávidas e no trato gastrointestinal do feto. Estes microrganismos podem afetar o desenvolvimento in utero, especialmente o do sistema imunológico do bebé.

 

"O feto cresce num ambiente estéril." Essa crença - antes inabalável - é posta em causa à medida que especialistas identificam traços de DNA bacteriano no líquido amniótico e no mecónio*, ambos representativos do ambiente intrauterino. Identificar a presença de microrganismos é ainda mais importante, pois estes são fundamentais para a construção da microbiota e para o desenvolvimento futuro da imunidade da criança.

Análise de DNA de ponta

Para confirmar a existência de micróbios e proceder à sua identificação, investigadores australianos analisaram o DNA bacteriano presente no líquido amniótico de 50 mulheres grávidas e o mecónio dos seus filhos nascidos por cesariana. Um procedimento específico permitiu minimizar o risco de contaminação (durante uma manipulação, por exemplo), o que pode distorcer os resultados.

Bactérias em toda a parte...

As análises de DNA revelaram bactérias na grande maioria das amostras estudadas, por vezes comuns aos dois ambientes. Uma espécie não patogénica é dominante no mecónio: Pelomonas puraquae, embora o motivo não tenha sido explicado (a contaminação externa foi considerada, apesar das medidas tomadas). Por sua vez, o líquido amniótico contém DNA de bactérias comensais da pele ("regulares"), principalmente Propionibacterium acnes e estafilococos. Moléculas benéficas produzidas por bactérias também foram encontradas no mecónio, especialmente os ácidos gordos de cadeia curta, conhecidos pelos seus efeitos protetores na saúde. Todas estas descobertas mostram que o ambiente fetal não é estéril e que a composição da sua “microbiota” pode afetar a saúde futura do bebé.

 

* Primeira matéria fecal eliminada por um recém-nascido, contendo o líquido amniótico absorvido no útero. O mecónio ajuda a identificar os microrganismos que revestem o trato gastrointestinal do feto.

 

Fontes:

L. Stinson, M. Boyce, M. Payne, et al. The Not-so-Sterile Womb: Evidence That the Human Fetus Is Exposed to Bacteria Prior to Birth. Front Microbiol. 10 :1024. 2019 ; doi.org/10.3389/fmicb.2019.01124