A microbiota intestinal pode ser um indicador de cancro de pulmão em estágio inicial

Foi detetada disbiose intestinal em doentes com cancro de pulmão em estágio inicial. Isso poderia levar ao desenvolvimento de um teste não invasivo em estágio inicial que aceleraria o tratamento e aumentaria as hipóteses de sobrevivência?

Publicado em 21 Outubro 2020
Atualizado em 29 Março 2022
Photo : Gut microbiota could be an indicator of early-stage lung cancer

Sobre este artigo

Publicado em 21 Outubro 2020
Atualizado em 29 Março 2022

Frequentemente diagnosticado em estágio avançado, o cancro do pulmão está associado a altas taxas de mortalidade. Um diagnóstico precoce melhoraria muito os cuidados e as chances de sobrevivência. A disbiose intestinal pode servir como um indicador de cancro do pulmão, assim como para muitas outras doenças, incluindo outros tipos de cancro?

Disbiose intestinal como um indicador do estágio de cancro

A microbiota intestinal de 42 pacientes com (sidenote: Adenocarcinoma (37 pacientes), carcinoma espinocelular (3 pacientes), carcinoma de células grandes (2 pacientes) ) diferentes de cancro do pulmão de células não pequenas (NSCLC) em um estágio inicial (metástase ocorreu em apenas 3 pacientes), e de 65 indivíduos controles saudáveis, foram analisadas usando sequenciamento 16S rRNA. Disbiose intestinal foi observada nos pacientes com cancro do pulmão: aumento da presença de espécies pertencentes ao gênero Ruminococcus e às famílias Lachnospiraceae e Enterobacteriaceae, entre outras, em relação aos controles. Portanto, a composição da microbiota pode mudar à medida que o cancro do pulmão se desenvolve. Além disso, a composição da microbiota intestinal era específica de cada estádio do cancro, com algumas bactérias presentes apenas nos três pacientes com metástase.

Uma ferramenta de diagnóstico?

A fim de desenvolver uma ferramenta de diagnóstico não invasiva para cancro do pulmão em estadio inicial, 13 biomarcadores com base em OTUs foram identificados. Juntos, esses biomarcadores tornaram possível prever com precisão a presença de cancro do pulmão (97,6% dos casos). Esse modelo foi confirmado em uma segunda coorte (34 pacientes e 40 controles), com seu poder preditivo permanecendo alto (76,4%), embora menor do que na coorte inicial. A partir desse modelo, foi possível construir um “índice de discriminação do paciente” para identificar pacientes com cancro do pulmão em estadio inicial. Com base em uma pontuação ponderada, o índice é fácil de usar para fins clínicos. Seu poder preditivo na coorte inicial (92,4%) também foi superior ao medido na coorte de validação (67,7%). Coortes maiores podem melhorar o modelo e seu poder preditivo.

 

en_view en_sources