área para o
público geral
Acesso
a profissionais

Psoríase

A psoríase é uma doença de pele de origem inflamatória, causada pelo facto da epiderme se renovar a si mesma demasiado rápido. Uma predisposição genética, associada a vários fatores incluindo o desequilíbrio da microbiota, faz com que o seu aparecimento seja mais provável.

A psoríase é uma doença crónica que alterna entre períodos de surto e períodos de remissão, de extensão e intensidade variáveis. 

A epiderme a renovar-se demasiado rápido

Na grande maioria dos casos, a psoríase apresenta-se na forma de manchas vermelhas cobertas por escamas brancas, localizadas principalmente nos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e região lombar. Ainda que não seja nem grave, nem contagiosa é, ainda assim, onerosa e tem um impacto grande na qualidade de vida.

Uma microbiota intestinal empobrecida

O mecanismo inflamatório que caracteriza a psoríase é agora conhecido: a epiderme é renovada em 4 a 6 dias ao invés das normais 3 semanas, levando a uma acumulação de pele morte e inflamação localizada. Pelo contrário, a causa permanece desconhecida. Vários fatores de risco genéticos e ambientais foram identificados, mas agora temos de perceber como interagem. Sabemos que o stress, certos medicamentos (beta-bloqueadores, anti-hipertensores, interferão-alfa, etc.) e certas infeções ORL aumentam a probabilidade dos surtos. O papel da microbiota intestinal e cutânea tem também sido destacado. Na verdade, tem sido observado um desequilíbrio na composição da microbiota cutânea nas lesões psoriáticas por comparação com a pele saudável, ainda que a doença não esteja relacionada com nenhum agente patogénico em particular. Pela sua parte, parece que a microbiota intestinal controla a inflamação cutânea alterando a resposta imunitária. Os mecanismos moleculares exatos permanecem em grande parte desconhecidos. Contudo, suspeita-se que as sobre-representadas bactérias pró-inflamatórias causem a inflamação.

Sem cura

Até à data, não existe tratamento para curar a psoríase. O tratamento é baseado na aplicação de produtos com corticosteroides e análogos da vitamina D3 durante os surtos, em combinação com cremes hidratantes. A fototerapia é aconselhada nas formas alargadas, mas o seu uso deve ser limitado. As formas mais graves beneficiam de outros tratamentos que devem ser monitorizados com precaução. Investigação tem sido levada a cabo para avaliar o impacto dos probióticos na inflamação cutânea localizada e na disbiose. 

Fontes:
Gao Z, Tseng CH, Strober BE, et al. Substantial alterations of the cutaneous bacterial biota in psoriatic lesions. PLoS One, 2008; 3: e2719.
Mańkowska-Wierzbicka D, Karczewski J, Dobrowolska-Zachwieja A, et al. The microbiome and dermatological diseases. Postepy Hig Med Dosw (online), 2015 ; 69, 978-985.
Zákostelská Z, Málková J, Klimešová K, et al. Intestinal Microbiota Promotes Psoriasis-Like Skin Inflammation by Enhancing Th17 Response. PLoS ONE 2016 ; 11(7): e0159539.
Scher JU, Ubeda C, Artacho A, et al. Decreased bacterial diversity characterizes the altered gut microbiota in patients with psoriatic arthritis, resembling dysbiosis in inflammatory bowel disease. Arthritis Rheumatol. 2015;67(1):128-139.