Mostre-me a sua flora intestinal, dir-lhe-ei qual a sua origem

Actu GP : Montre-moi ta flore intestinale, et je te dirai d’où tu viens.

Um estudo publicado na revista Cell revela que a migração de um país não ocidental para os EUA pode estar associada a mudanças significativas na diversidade e funções da microbiota, que podem resultar, por sua vez, numa predisposição para perturbações metabólicas.

 

Investigadores internacionais chegaram a essa conclusão ao estudar mais de 510 mulheres com idades compreendidas entre os 18 e os 78 anos pertencentes às tribos Hmong e Karen, minorias do sudeste asiático, cujos migrantes para os EUA são particularmente afetados pela obesidade. A literatura científica já mostrou anteriormente que há uma ligação entre o excesso de peso e as perturbações da microbiota. Para entender o impacto da migração na microbiota intestinal, os cientistas analisaram a flora intestinal de mulheres que ainda vivem na Tailândia, de mulheres que deixaram seu país de origem e de cerca de cinquenta voluntárias pertencentes à segunda geração de migrantes. Dezanove refugiados Karen também foram monitorizados antes de sua partida e depois de chegarem aos EUA, bem como 36 pessoas nascidas nos EUA ou na Europa.


Algumas bactérias nativas desaparecem

Essas diferentes análises revelaram que a microbiota é muito mais diversificada e abundante nas pessoas que vivem na Tailândia do que nos imigrantes. Além disso, as microbiotas de migrantes e americanos nativos foram semelhantes. Mais precisamente, os investigadores relataram o desaparecimento de algumas bactérias a favor de outras, sugerindo que a flora dos migrantes passa por um processo de "ocidentalização", bastando para o efeito alguns meses. Como consequência, os migrantes de primeira e segunda geração perderam uma enzima capaz de degradar açúcares complexos (especialmente fibras vegetais), que está naturalmente ausente nos americanos nativos, mas abundante nos tailandeses que ainda vivem no seu país de origem.

A dieta não pode explicar tudo

Os investigadores consideram que as mudanças na alimentação por si só não explicam essas variações. Os cientistas observam que "embora os filhos de imigrantes e americanos nativos seguissem uma dieta diferente, surpreendentemente, as suas microbiotas ainda eram semelhantes". Estes também referiram que a exposição a antibióticos, o stress ou o consumo de água potável diferente também podem induzir essas disrupções. Por fim, os investigadores advertiram, relativamente aos seus resultados, que ainda é muito precoce concluir que as mudanças observadas são provocadas pela migração ou afirmar que estas contribuem diretamente para a alta incidência de obesidade nos imigrantes dos EUA.

 

Fontes:

Vangay et al. US Immigration Westernizes the Human Gut Microbiome. 2018, Cell 175, 962–972 November 1, 2018