área para o
público geral
Acesso
a profissionais

Perturbações de ansiedade

Certas perturbações de ansiedade, de que sofrem um grande número de pessoas, podem estar relacionadas com a atividade da microbiota gastrointestinal na regulação das hormonas do stress. A descoberta do papel da microbiota nas perturbações de ansiedade permite-nos ter um vislumbre de potenciais novos caminhos para o tratamento. 

 

A atividade da microbiota como reguladora

A microbiota gastrointestinal desempenha um papel na regulação dos sintomas da ansiedade relacionada com stress através da microbiota do eixo cérebro-intestino. Dados recentes em pessoas saudáveis confirmam a hipótese formulada em experiências com ratos que sugere que a microbiota influencia o humor e a ansiedade.

Vias de interação estômago-cérebro

As interações microbiota intestinal-cérebro envolvem as vias neuronais, através da ativação do nervo vago e do surgimento de sinais ansiosos (um nó no estômago), e o sangue, através do transporte de moléculas dos intestinos para o cérebro. As moléculas relevantes têm diferentes origens: moléculas bacterianas capazes de atravessar o revestimento cerebral (meninges), moléculas secretadas por células intestinais (neuropéptidos) e moléculas pró ou anti-inflamatórias (citocinas) produzidas pelo sistema de defesa do intestino.

Novos caminhos para o tratamento

Além do tratamento tradicional das perturbações de ansiedade (psicoterapia, fitoterapia, ansiolíticos, etc.), as relações entre a microbiota gastrointestinal e o cérbero estão a abrir novos caminhos para o tratamento, como probióticos, que vão alterar a composição da microbiota. Contudo, a eficácia clínica desta abordagem ainda não está comprovada. 

Fontes:
Wittchen HU, Jacobi F, Rehm J, et al. The size and burden of mental disorders and other disorders of the brain in Europe 2010. Eur Neuropsychopharmacol. 2011;21(9):655-679.
Clarke G, Grenham S, Scully P, et al. The microbiome-gut-brain axis during early life regulates the hippocampal serotonergic system in a sex-dependent manner. Mol Psychiatry. 2013;18(6):666-673.
Nishino R, Mikami K, Takahashi H, et al. Commensal microbiota modulate murine behaviors in a strictly contamination-free environment confirmed by culture-based methods. Neurogastroenterol Motil. 2013;25(6):521-528.
Neufeld KM, Kang N, Bienenstock J, et al. Reduced anxiety-like behavior and central neurochemical change in germ-free mice. Neurogastroenterol Motil. 2011 Mar;23(3):255-64, e119.
Martin CR, Mayer EA. Gut-Brain Axis and Behavior. Nestle Nutr Inst Workshop Ser. 2017 ; 88:45-53.
Kennedy PJ, Cryan JF, Dinan TG, et al. Kynurenine pathway metabolism and the microbiota-gut-brain axis. Neuropharmacology. 2017 Jan;112(Pt B):399-412.
Kumar K, Sharma S, Kumar P, et al. Therapeutic potential of GABA(B) receptor ligands in drug addiction, anxiety, depression and other CNS disorders. Pharmacol Biochem Behav. 2013;110:174-184.
Collins SM, Surette M, Bercik P. The interplay between the intestinal microbiota and the brain. Nat Rev Microbiol. 2012;10(11):735-742.