área para o
público geral
Acesso
a profissionais

Síndrome metabólica

A síndrome metabólica representa um conjunto de problemas metabólicos associados à obesidade, como hipertrigliceridemia ou pressão arterial elevada, o que aumenta o risco de diabetes e complicações cardiovasculares. 

A síndrome metabólica não é, em rigor, uma doença; a sua definição é a existência, numa única pessoa, de obesidade abdominal (perímetro da cintura > 94 cm, nos homens, 80 cm, nas mulheres), associada a pelo menos dois dos seguintes problemas: níveis anormalmente elevados de insulina, hipertrigliceridemia, pressão arterial elevada, hiperglicemia ou colesterol-HDL baixo (“bom colesterol”). 

Estilo de vida pouco saudável, o principal fator de risco

Mais do que a provável predisposição genética, é um estilo de vida pouco saudável que leva à síndrome metabólica. Comida de plástico, acompanhada de atividade física insuficiente, causam disfunções metabólicas que levam a inflamação crónica, o que por sua vez causa perturbações metabólicas. Inicia-se um círculo vicioso, onde um dos participantes é o desequilíbrio da microbiota ou disbiose.

Sem sinais visíveis

Além da obesidade, a síndrome metabólica não apresenta sinais visíveis o que significa que, quando os sintomas aparecem, a síndrome evoluiu para uma doença: diabetes tipo 2, aterosclerose, doença cardiovascular, etc.

Comer melhor, mexer-se mais

Por enquanto, não há tratamento para a síndrome metabólica. O único conselho médico que funciona tão bem para a prevenção como para a cura é uma dieta equilibrada com preponderância de alimentos com baixo índice glicémico e atividade física regular e contínua. Se a ideia de que os probióticos e prebióticos funcionam como reguladores da dieta e do peso se confirmar, estes podem ser tidos em conta no tratamento da síndrome metabólica.  

 

Fontes:
Alberti KG, Zimmet P, Shaw J. The metabolic syndrome--a new worldwide definition. Lancet. 2005 ; 366 (9491) : 1059-62.
Vernay M, Salanave B, de Peretti C, et al. Metabolic syndrome and socioeconomic status in France: The French Nutrition and Health Survey (ENNS, 2006-2007). Int J Public Health. 2013;58(6):855-864.
Jin C, Henao-Mejia J, Flavell RA. Innate immune receptors: key regulators of metabolic disease progression. Cell Metab. 2013 ; 17 : 873-82.
Vijay-Kumar M et al. Metabolic syndrome and altered gut microbiota in mice lacking Toll-like receptor 5. Science. 2010 ; 328:228–31.
Saito T, Hayashida H, Furugen R. Comment on: Cani et al. Metabolic endotoxemia initiates obesity and insulin resistance: Diabetes 56:1761-1772. Diabetes. 2007;56(12):e20-e21.
Serino M, Luche E, Gres S, et al. Metabolic adaptation to a high-fat diet is associated with a change in the gut microbiota. Gut. 2012;61(4):543-553.
Nicholson JK, Holmes E, Kinross J, et al. Host-gut microbiota metabolic interactions. Science. 2012;336(6086):1262-1267.
Roberfroid M, Gibson GR, Hoyles L, et al. Prebiotic effects: metabolic and health benefits. Br J Nutr. 2010;104 Suppl 2:S1-S63.