Libido: bactérias intestinais desmancha-prazeres

Actu GP : Libido : des bactéries intestinales trouble-fête

Quando se procuram os culpados de uma libido em baixa, a rotina ou o passar dos anos são muitas vezes apontados a dedo. E se fosse necessário procurar um suspeito mais pequenino, tranquilamente aninhado no fundo das nossas entranhas?

 

A perda da libido nas mulheres é um distúrbio sexual com múltiplas consequências: redução da qualidade de vida, autoconfiança e autoestima em queda, privação de ligação com o parceiro... Efetivamente, os médicos falam de "síndrome ou transtorno do desejo sexual hipoativo” (TDSH) quando a insuficiência ou ausência de desejo sexual causa acentuado sofrimento ou dificuldades nas relações interpessoais. Este conjunto de sintomas (redução do desejo + sofrimento associado) afetará até 10% das mulheres americanas, podendo acontecer o mesmo nos outros países. Ora, de acordo com trabalhos recentes, a microbiota intestinal, já implicada nas doenças mentais e neurológicas, estará envolvida nestes distúrbios sexuais em parte regulados pelo cérebro.

Bactérias, emoções e sexualidade

Para saberem mais, os investigadores compararam as fezes de 24 mulheres com TDSH com as de 22 mulheres sem problemas de libido. Observaram nas mulheres TDSH uma menor abundância de algumas bactérias e um aumento de outras, nomeadamente lactobacilos e bifidobactérias. Quanto mais importantes eram as diferenças comparativamente ao microbiota das mulheres sem problemas, mais pronunciada era a diminuição do desejo sexual. Novas investigações mais aprofundadas serão, contudo, necessárias para se compreender os mecanismos em ação: pequenas moléculas segregadas pelas bactérias intestinais penetrarão no nosso organismo e poderão influenciar o nosso cérebro. A aposta nestas investigações é importante: estes resultados, embora sejam ainda muito preliminares, poderão um dia permitir uma melhor gestão da diminuição da libido nas mulheres.

Serenidade ou desejo, será necessário escolher?

Por fim, os autores lembram que os níveis elevados de lactobacilos e bifidobactérias, que marcam a perda de libido, já foram previamente associados a uma diminuição dos pensamentos agressivos e dos sentimentos de tristeza. Para os autores, tudo estará ligado: a cólera ou o stress poderão funcionar como um prelúdio da sexualidade, nomeadamente porque estes estados emocionais geram uma excitação capaz de se transformar em desejo. Por outras palavras, parece que é necessário optar entre serenidade e libido!

 

Fontes:

Li G, Li W, Song B, et al. Differences in the Gut Microbiome of Women With and Without Hypoactive Sexual Desire Disorder: Case Control Study. J Med Internet Res. 2021 Feb 25;23(2):e25342. doi: 10.2196/25342.