Qual a ligação entre a apneia do sono e a microbiotia nasal?

Actu GP Apnée du sommeil : quel lien avec le microbiote nasal ?

A apneia obstrutiva do sono está associada a uma modificação da microbiota nasal e a um aumento da inflamação, dois eventos que se acredita serem autossustentáveis e que exacerbam o distúrbio, de acordo com um novo estudo.


A apneia do sono é um distúrbio comum associado à inflamação das vias aéreas superiores, inflamação sistémica e a uma resposta imunitária modificada. Até que ponto a microbiota nasal está envolvida nesses diferentes eventos? E como influencia sua composição? Para responder a essas perguntas, uma equipa de investigadores recrutou 565 voluntários, de duas coortes, que participavam em estudos do sono. Dois terços do primeiro grupo sofriam de apneia obstrutiva do sono (AOS), considerada grave em 9,5% deles. Quase três quartos do segundo grupo tinham AOS, 45% dos quais a forma grave. Após submeter todos os participantes a irrigação nasal, os investigadores analisaram a composição microbiana nasal dos doentes apneicos e compararam-na com a de indivíduos saudáveis.

Uma microbiota mais diversificada em doentes com AOS grave

Os resultados mostram que a AOS não é o reflexo de uma variação da abundância da microbiota nasal, que permanece dominada por duas espécies bacterianas: Staphylococcus e Corynebacterium. No entanto, está associada a uma maior diversidade de espécies, que é mais acentuada quando o distúrbio é mais grave. As espécies que enriquecem esta flora são normalmente encontradas na microbiota oral (Streptococcus, Prevotella, Veillonella, Granulicatella).

Mais marcadores inflamatórios

Os autores sugerem que a origem desta migração poderia estar, entre outros fatores, na obstrução das vias aéreas, criando um refluxo de secreções orofaríngeas (na parte posterior da cavidade oral), que normalmente são deglutidas, ou filtradas de forma limitada em doentes com apneia grave. Adicionalmente, os autores observaram a presença de marcadores inflamatórios nasais nos doentes apneicos, e constataram que estes influenciavam a natureza das bactérias que compõem a microbiota que reveste o nariz.

Uma abordagem terapêutica

O tratamento de pressão positiva contínua (PPC), o padrão standard terapêutico que consiste na prevenção da obstrução da via aérea superior, não teve efeito sobre a diversidade e composição da microbiota. No entanto, este estudo confirma que a disbiose observada nos doentes apneicos está associada tanto ao distúrbio quanto à inflamação, embora a sua causa ainda não tenha sido elucidada. Também permite que uma nova abordagem seja considerada no tratamento da apneia grave, através da investigação do papel das secreções contidas no refluxo.

 

Fontes :

Wu BG et al. Severe Obstructive Sleep Apnea is Associated with Alterations in the Nasal Microbiome and Increase in Inflammation. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine https://www.atsjournals.org/doi/10.1164/rccm.201801-0119OC