área para o
público geral
Acesso
a profissionais

Diarreia do viajante

A diarreia do viajante é uma infeção geralmente benigna, a maior parte das vezes causada por bactérias que temporariamente desregulam a microbiota intestinal. 

Contrariamente à crença comum, a diarreia do viajante não está relacionada com alimentos exóticos que não conseguimos digerir; é uma infeção real, mais comummente bacteriana, por vezes parasitária, e mais raramente viral.
 
A diarreia do viajante, que é muito comum, afeta 40 % dos turistas que visitam países em desenvolvimento. 

Tomar precauções de higiene básicas

Os principais transmissores das bactérias que provocam a diarreia do viajante são a comida contaminada, em particular os vegetais crus, carne ou peixe malpassados, fruta não descascada e água da torneira. Como consequência, a prevenção da diarreia do viajante é em larga escala baseada em medidas de higiene: lavar as mãos com frequência e segurança alimentar.

Desidratação, o primeiro risco da diarreia do viajante

Os sintomas da diarreia do viajante aparecem geralmente nos primeiros dias de uma viagem: evacuações múltiplas de fezes líquidas (pelos menos 3 vezes por dia), geralmente associadas a náusea, dor abdominal e perda de apetite. O risco principal vem da desidratação.

Beba muito e coma pouco

A reidratação é a pedra basilar para tratar a diarreia do viajante: água limpa (engarrafada...) e chá de ervas, para serem bebidos frequentemente e em pequenas quantidades. É recomendado o consumo de água ligeiramente doce ou salgada. Ao mesmo tempo, adotar uma dieta especial durante alguns dias: sem fruta ou vegetais (exceto bananas e ananás), demasiado ricos em fibras e rica em arroz.

Os antibióticos devem ser tomados só para tratar casos mais graves.

Os probióticos (ex. Saccharomyces boulardii) podem ser úteis como medida preventiva e por forma a atenuar a gravidade da diarreia do viajante.