área para o
público geral
Acesso
a profissionais

Le microbiote au quotidien

Porque é que não combinamos rotineiramente antibióticos com probióticos?

Durante a terapêutica antibiótica em crianças ou adultos, o médico deve recomendar tomar probióticos para a prevenção da diarreia.

Porque não generalizar a toma de probióticos preventivamente?

O conhecimento científico atual não permite que o uso preventivo de probióticos seja sistematicamente generalizado. Contudo, em certos casos é possível recomendar a administração de probióticos específicos como medida preventiva (diarreia associada a antibióticos, diarreia do viajante, cistite recorrente, rinite alérgica, etc.).

O que significa a palavra disbiose?

Disbiose é o reflexo de um desequilíbrio na microbiota, devido a alterações quantitativas e qualitativas na composição da flora bacteriana. Está associada a consequências negativas para o hospedeiro, que podem estar na origem do desenvolvimento de determinadas doenças.

Podemos tratar problemas atuando sobre a microbiota intestinal?

Atualmente, na gestão de certas doenças (diarreia associada a antibióticos, Síndrome do Intestino Irritável, gastroenterite) podemos atuar na flora intestinal com o objetivo de a equilibrar introduzindo microrganismos favoráveis (bactérias, leveduras).

Pode proteger a sua microbiota intestinal?

O equilíbrio da flora intestinal está, em parte, relacionado com hábitos alimentares. Uma boa dieta (rica em fibra, pobre em gordura) ajuda a manter uma microbiota diversa e com elevada qualidade, o que é benéfico para o seu bom funcionamento.

Onde podemos encontrar a microbiota humana?

A microbiota humana pode ser encontrada em diferentes partes do corpo: pele, trato digestivo, sistema respiratório, sistema urogenital, etc.

Como está a microbiota envolvida na Doença de Parkinson, autismo ou doenças similares?

Foi sugerido um possível papel da microbiota intestinal na emergência de algumas doenças neurodegenerativas. Na Doença de Parkinson, uma infeção intestinal crónica com Helicobacter pylori, que resulte na interrupção da comunicação do eixo cérebro-intestino, pode estar relacionada. No autismo, têm sido encontrados desequilíbrios na microbiota (disbiose) em crianças com a doença, uma vez mais interrompendo as trocas cérebro-intestino. Noutros casos, como na Doença de Alzheimer, o estudo da microbiota é um caminho promissor para a descoberta da causa destas doenças.

Podemos alterar a microbiota?
É possível modular a microbiota. Para isso pode: ou estimular o crescimento de espécies microbianas favoráveis, através da toma de prebióticos ou introduzir microganismos benéficos por toma de probióticos. Ao mesmo tempo é necessária uma dieta saudável (rica em fibras, pobre em gorduras, etc.). Em alguns casos, a transplantação fecal pode ser usada para alterar a microbiota e corrigir a disbiose (por exemplo, na infeção por Clostridium difficile).
Qual é a diferença entre microbiota intestinal e flora intestinal?

«Flora intestinal» é um termo mais antigo comummente utilizado para definir a microbiota intestinal. Os dois termos têm o mesmo significado.

Qual a diferença entre pre e probióticos?

Os probióticos são microrganismos vivos específicos que, em quantidade suficiente, trazem efeitos benéficos à saúde. Prebióticos são fibras que formam o substrato nutricional para o crescimento de bactérias benéficas na microbiota. Probióticos e prebióticos têm efeitos complementares.

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. Page suivante

Informação

A informação disponível neste site não substitui o aconselhamento médico. Se tem alguma questão adicional, por favor, consulte um profissional de saúde.