A colite ulcerosa melhora com um transplante da microbiota de vários dadores

Greffe de microbiote

A colite ulcerosa é uma das doenças inflamatórias crónicas do intestino e do reto onde fezes moles e ensanguentadas alternam com um trânsito intestinal normal. Pensa-se que a microbiota intestinal esteja envolvida no desenvolvimento desta doença. O transplante fecal constitui um dos tratamentos possíveis. Habitualmente, este procedimento é feito a partir de fezes de um só dador com uma microbiota saudável. Num ensaio clínico publicado na The Lancet, os autores avaliaram os potenciais benefícios de um transplante fecal combinado de vários dadores em doentes com colite ulcerosa moderada. Os resultados mostram que uma administração intensiva durante 8 semanas (5 vezes por semana) de uma mistura de microbiota intestinal de vários dadores conduz a uma melhoria da sintomatologia da doença em 27% dos doentes tratados. Estes efeitos benéficos, verificados por exames de seguimento (colonoscopia), persistiram até, pelo menos, 8 semanas após o fim do tratamento. As conclusões do estudo são otimistas e sugerem que as remissões clínicas observadas estão relacionadas com a alteração da flora intestinal dos doentes transplantados. São necessários novos estudos sobre a eficácia destes transplantes fecais ou da microbiota, para ajustar a dosagem do tratamento à gravidade dos sintomas e à natureza da microbiota inicial do doente.

 

A única indicação validada para TMF é a infecção recorrente associada ao Clostridioides difficile. Esta prática pode apresentar riscos para a saúde e deve ser realizada sob supervisão médica, não se reproduzir em casa!

 

Fontes:

S Paramsothy et al. Multidonor intensive faecal microbiota transplantation for active ulcerative colitis: a randomised placebo-controlled trial.Lancet 2017 Mar 25;389(10075):1218-1228. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28214091