Prever a evolução do cancro da próstata através da microbiota intestinal?

Há uma ligação entre a microbiota (os milhões de bactérias) do seu intestino e o cancro da próstata? É mais do que provável, indica um estudo recente publicado na Cancer Science.

Publicado em 25 Outubro 2021
Atualizado em 02 Novembro 2021
Tempo de leitura 2min

Sobre este artigo

Publicado em 25 Outubro 2021
Atualizado em 02 Novembro 2021
Tempo de leitura 2min

Uma ambição: examinar a ligação entre o cancro da próstata e a microbiota intestinal num grupo de homens japoneses. Uma metodologia: os perfis da microbiota intestinal de homens com ou sem cancro da próstata grave foram comparados. Um objetivo: determinar se a composição da microbiota intestinal pode ser utilizada como novo marcador não invasivo do cancro da próstata grave.

Em busca de um novo marcador…

O diagnóstico do cancro é feito por toque retal, mas também com vários exames médicos que vão permitir avaliar a gravidade do cancro e o risco de progressão e determinar (sidenote: Mohler JL, Antonarakis ES, Armstrong AJ, et al. Prostate Cancer, Version 2.2019, NCCN Clinical Practice Guidelines in Oncology. J Natl Compr Canc Netw. 2019;17(5):479-505. ) O exame essencial para o rastreio e o acompanhamento do cancro da próstata é a dosagem do PSA (antigénio específico da próstata) que não permite distinguir com rigor o grau de gravidade do cancro. É avaliado através de níveis que vão do grau 1 ao grau 5 após um exame de amostras de tecido recolhidas na próstata. No grau 1, sendo o prognóstico dos pacientes geralmente favorável, é recomendado que não sejam tratados para evitar um sobretratamento muitas vezes prejudicial.  Pelo contrário, os pacientes com cancro da próstata de grau 2 e superior precisam de um tratamento rápido e apropriado. Para completar a análise serológica do PSA e evitar um exame invasivo, é essencial desenvolver um novo método para determinar o grau dos cancros da próstata. 

… na microbiota intestinal


Num estudo anterior, os autores mostraram em ratinhos que a obesidade, uma dieta rica em gorduras ou ainda determinadas moléculas produzidas pela microbiota intestinal favorecem a proliferação de células cancerígenas na próstata.  Estes resultados parecem indicar que a microbiota intestinal poderia ser utilizada como biomarcador para determinar a evolução deste cancro. Durante a análise da microbiota de pacientes sujeitos a uma biópsia da próstata, os investigadores observaram que três grupos bacterianos eram mais abundantes nos pacientes com cancro da próstata grave. Para aumentar o rigor do diagnóstico, os autores utilizaram um modelo matemático e identificaram 18 tipos de bactérias suplementares para criar um índice microbiano fecal da próstata chamado "FMPI" (Fecal Microbiome Prostate Index). Este FMPI permite distinguir os pacientes com cancro da próstata grave com um rigor mais importante do que a dosagem tradicional do PSA. 
Embora muito encorajador, este estudo é fragmentado e tem um âmbito de investigação limitado. Com efeito, apenas foram incluídos no estudo homens japoneses urbanos. Deve ser realizado com outros pacientes com perfis diferentes. E assim confirmar os resultados auspiciosos. 
 

Fontes:

Matsushita M, Fujita K, Motooka D, et al. The gut microbiota associated with high-Gleason prostate cancer. Cancer Sci. 2021.

Tags

en_view en_sources

    Leia também