A atividade física faz bem à microbiota!

Actu PRO L’activité physique, c'est bon pour le microbiote !

A prática de desporto melhora a composição e funcionalidade da microbiota intestinal, mas os seus efeitos benéficos desaparecem assim que parar de treinar.

 

A composição e funcionalidade da microbiota intestinal dependem de vários fatores ambientais e comportamentais, como a dieta, obesidade ou tipo de parto. Ter um estilo de vida ativo ou sedentário também parece ter impacto no ecossistema microbiótico. Estudos em animais mostraram que o treino de resistência provoca alterações no metabolismo, na imunidade e no comportamento, bem como um aumento da produção de ácidos gordos de cadeia curta nos intestinos*. O impacto do treino de resistência no Homem é ainda desconhecido.

Desporto e dieta

Para melhor compreender a sua influência, investigadores Americanos selecionaram 32 adultos, magros ou obesos, com um estilo de vida sedentário. Durante 6 semanas, os voluntários tiveram que completar 3 sessões de treino de resistência por semana (bicicleta ou passadeira), cuja duração e intensidade aumentaram ao longo do tempo. No final deste período, retomaram os seus hábitos sedentários. Os investigadores também colheram amostras de fezes para analisar a microbiota intestinal antes e depois do período ativo e 6 semanas após retomarem os seus hábitos de vida sedentários. A dieta foi monitorizada durante o estudo.

Um impacto a curto prazo, mas positivo

As diferenças observadas na composição da microbiota no início do estudo entre os indivíduos magros e obesos tinham desaparecido após o período de 6 semanas de atividade física, demonstrando, assim, o impacto da prática de desporto na microbiota. O treino de resistência teve um impacto tanto na composição bacteriana como na funcionalidade, com maior efeito nos indivíduos magros. Estes efeitos estão associados a alterações favoráveis na composição corporal (aumento da massa muscular, decréscimo da massa gorda), mas os benefícios não persistiram após o período de atividade física. Os investigadores concluíram que a atividade física promove alterações na composição e funcionalidade da microbiota intestinal e que estas alterações dependem do índice de massa corporal**, mais do que da dieta. Estas alterações podem prevenir algumas patologias intestinais, como o cancro colorretal ou a síndrome do intestino irritável.

* Ácidos gordos de cadeia curta são uma fonte de energia para os tecidos, reduzem a inflamação e melhoram a sensibilidade à insulina.

** O índice de massa corporal (IMC) é definido pelo peso, em Kg, dividido pelo quadrado da altura, em m2; é utilizado para determinar se o indivíduo está abaixo do peso, tem o peso normal, tem excesso de peso ou é obeso.

 

Fontes:

Allen et al. Exercise Alters Gut Microbiota Composition and Function in Lean and Obese Humans. Medicine & Science in Sports & Exercise. Nov 2017.