VIH: a microbiota intestinal pode aumentar a deficiência do sistema imunitário

Actu GP VIH : quand le microbiote intestinal entretient la perturbation du système immunitaire

De acordo com um estudo internacional, a microbiota digestiva de alguns doentes seropositivos a receber terapia antirretroviral está debilitada e leva a um comprometimento a longo prazo do sistema imunitário.

 

Para se multiplicar e sobreviver no organismo humano, o vírus da imunodeficiência humana (VIH) infeta células imunitárias chamadas células CD4, um tipo de glóbulos brancos que medeiam uma resposta protetora. Esta infeção leva à morte dessas células e torna os doentes VIH-positivos mais suscetíveis a infeções.


Sistema imunitário debilitado

O objetivo dos tratamentos antirretrovirais é prevenir o processo de replicação viral, preservando assim muitas das células CD4 e permitindo que elas se multipliquem e protejam o organismo. No entanto, a literatura científica mostra que, para vários doentes, os níveis de CD4 aumentam lentamente, apesar do tratamento. Um estudo publicado, no final de setembro, na Scientific Reports sugere que o desequilíbrio da microbiota intestinal poderia desempenhar um papel nesse processo. Os investigadores chegaram a essa conclusão analisando fezes de 26 homens VIH-positivos, que tinham sido tratados durante mais de dois anos com antirretrovirais (incluindo cerca de 2/3 de respondedores) e 20 voluntários saudáveis.

Abundância de um grupo bacteriano específico

Surge desta análise que a composição da flora intestinal dos participantes é diferente quer estes estejam infetados ou não. Além disso, um grupo específico de bactérias (Fusobacterium) é mais abundante em doentes VIH-positivos com uma baixa contagem de CD4 intestinais (e baixa resposta ao tratamento). O estudo revelou que 70% destes doentes, em média mais velhos do que os outros, têm níveis mais elevados desta bactéria em comparação com os outros doentes (25% dos doentes VIH-positivos e apenas 10% dos voluntários não infetados). Segundo os investigadores, a superabundância desta bactéria em respondedores subótimos poderia estar associada a um ligeiro aumento nos níveis de CD4 e, portanto, a uma alteração duradoura do sistema imunitário. Acreditam que a modulação da quantidade deste grupo bacteriano nos intestinos pode ser um meio de fortalecer o sistema imunitário, especialmente em respondedores subótimos que estão em tratamento há anos.

 

Fontes :

Soo Ching Lee, Ling Ling Chua, Siew Hwei Yap, Tsung Fei Khang, Chan Yoon Leng et al. Enrichment of gut-derived Fusobacterium is associated with suboptimal immune recovery in HIV-infected individuals. Scientific Reports, Sep 24, 2018