Prébioticos

Os prebióticos são fibras da dieta não digeríveis que estimulam seletivamente o crescimento de bactérias benéficas do cólon na microbiota do hospedeiro.

Publicado em 16 Outubro 2020
Atualizado em 03 Setembro 2021

Sobre este artigo

Publicado em 16 Outubro 2020
Atualizado em 03 Setembro 2021

Os prebióticos são hidratos de carbono complexos que não são digeridos no trato gastrointestinal superior, mas são fermentados na secção final por bactérias “boas” existentes no colon. Consequentemente, não são uma fonte de energia para as células intestinais, mas são substratos essenciais para certos (sidenote: Microrganismos Organismos vivos que são demasiado pequenos para serem vistos a olho nu. Incluem as bactérias, os vírus, os fungos, as arqueias, os protozoários, etc., e são vulgarmente designados "micróbios". What is microbiology? Microbiology Society. ) , em particular da microbiota vaginal e intestinal.


Onde podemos encontrar os prebióticos?

A alimentação é a única fonte de obtenção de prebióticos; é através da alimentação que alimentamos a nossa microbiota e, consequentemente, influenciamos a sua diversidade e composição. Assim, uma dieta variada, favorecendo alimentos ricos em fibra, como fruta e vegetais frescos, é a chave para preservar o equilíbrio da flora bacteriana.

Os prebióticos mais utilizados são os frutanos, em particular a inulina, e os fruto-oligossacarídeos. Alguns alimentos são particularmente ricos:

  • Bananas, cebolas e alho contêm oligossacarídeos;
  • Endívias, chicória e alcachofra contêm inulina;
  • Sementes secas e cereais contêm amido.


Prebióticos, efeitos ainda por confirmar

Os prebióticos têm um grande potencial terapêutico em doenças associadas à (sidenote: Disbiose A "disbiose" não é um fenómeno homogéneo – varia em função do estado de saúde de cada indivíduo. É geralmente definida como uma alteração da composição e do funcionamento da microbiota, causada por um conjunto de fatores ambientais e relacionados com o indivíduo que perturbam o ecossistema microbiano. Levy M, Kolodziejczyk AA, Thaiss CA, et al. Dysbiosis and the immune system. Nat Rev Immunol. 2017;17(4):219-232. ) , como doenças infeciosas intestinais ou alergias. Ainda assim, tal como com os probióticos, será necessário identificar o tipo de prebiótico a utilizar, a dose, via de administração e confirmar a sua eficácia.

Fontes
  • Gibson GR, Roberfroid MB. Dietary modulation of the human colonic microbiota: introducing the concept of prebiotics .J Nutr, 1995; 125:1401-12.
  • Scott K, prebiotics http://isappscience.org/prebiotics/
  • Prebiotics: The Concept Revisited. Marcel Robertfroid, J. Nutr., march 2007, vol. 137 n°3 830S-837S
  • Scott, KP. et al. Manipulating the gut microbiota to maintain health and treat disease. Microbial Ecology in Health and Disease, [S.l.], v. 26, feb. 2015. ISSN 1651-2235.
  • Bouchaud G. et al. Maternal exposure to GOS/Inulin mixture prevents food allergies and promotes tolerance in offspring in mice. Allergy, édition en ligne du 1er octobre 2015
  • Inserm http://www.inserm.fr/actualites/rubriques/actualites-recherche/les-prebiotiques-previennent-les-allergies-alimentaires 2015
Tags

en_view en_sources