Poderá a mudança da microbiota intestinal tratar o distúrbio bipolar?

Actu GP Moduler le microbiote intestinal pour traiter les troubles bipolaires ?

De acordo com um estudo recente, a microbiota intestinal pode ser um alvo terapêutico no tratamento do distúrbio bipolar.

 

Vários estudos têm demonstrado a eficácia das terapias baseadas na manipulação da microbiota (transplante fecal, probióticos, prebióticos) no tratamento de perturbações psiquiátricas como a depressão e a ansiedade. O distúrbio bipolar pode ser o próximo a beneficiar da mesma abordagem terapêutica.

A análise da microbiota intestinal de 179 indivíduos (doentes bipolares e indivíduos saudáveis), que participaram num estudo sobre a doença, mostrou uma diferença significativa na composição entre pessoas com a doença e indivíduos saudáveis. A flora intestinal de indivíduos bipolares continha cerca de um terço menos bactérias do grupo Faecalibacterium, que tem propriedades anti-inflamatórias conhecidas. A bactéria também está sub-representada em várias outras doenças, como a síndrome do intestino irritável, a doença de Crohn, a colite ulcerativa, o cancro colorretal, a diarreia idiopática crónica, em idosos hospitalizados e/ou pessoas frágeis e em pessoas com depressão. Os dados sugerem, no entanto, que uma modificação terapêutica da microbiota com o objetivo de aumentar a proporção de Faecalibacterium pode ser útil para reduzir os efeitos da doença. Os autores especificam que estas hipóteses têm de ser confirmadas através de ensaios clínicos.

 

Fontes:

Evans et al. The gut microbiome composition associates with bipolar disorder and illness severity. Journal of Psychiatric Research 87 (2017) 23-29.