A síndrome do intestino irritável (SII)

SII

Dores abdominais recorrentes, inchaço, problemas de trânsito... A síndrome do intestino irritável (SII) é o distúrbio mais comum da interação intestino-cérebro, anteriormente conhecida como «  distúrbios funcionais intestinais.. Se os seus principais sintomas dizem respeito ao intestino, a SII está frequentemente associada à ansiedade e depressão. Sabemos hoje que os distúrbios de comunicação no eixo intestino-cérebro, no qual atua a microbiota intestinal, estão em jogo nesta síndrome. 

Publicado em 19 Abril 2023
Atualizado em 25 Outubro 2023
Photo: Irritable bowel syndrome (IBS) - disease page

Sobre este artigo

Publicado em 19 Abril 2023
Atualizado em 25 Outubro 2023

Sumário

Sumário

5 a 10% da população no mundo é afetada pela SII

Sabia que?

Os “distúrbios de interação intestino- cérebro” (em inglês Disorder of Gut Brain interaction - DGBI) também são chamados de “distúrbios funcionais intestinais ”. Chamamo-los de disfuncionais porque não existe nenhuma anomalia estrutural nos órgãos e tecidos digestivos.  A síndrome do intestino irritável (SII) foi também chamada de “colopatia funcional”, “colite espasmódica” ou “síndrome do cólon irritável” 2.  

O que provoca a síndrome do intestino irritável? 

As causas da síndrome do intestino irritável são complexas e permanecem ainda hoje apenas parcialmente identificadas. O aparecimento de uma SII seria o fruto de um conjunto de fatores de naturezas diferentes e de importância variável segundo os indivíduos 2: uma predisposição genética, certos antecedentes médicos e de tratamento, stress, alimentação, etc.  

 

O fator de risco mais reconhecido da SII é um antecedente de infeção intestinal aguda: 10% das pessoas que têm uma SII estima que os seus distúrbios começaram após um episódio de gastrenterite viral, diarreia do viajante, (sidenote: Diverticulite Uma diverticulite é uma inflamação ou infeção que atinge os divertículos, pequenas pregas (hérnias) presentes na parede interna do cólon.   https://www.cancer.gov/publications/dictionaries/cancer-terms/def/diverticulitis ) , etc 1,4,5. Após um tal episódio, o risco de SII quadruplicaria ao final de um ano 1

2 em 3 pessoas que sofrem de SII nos países ocidentais são mulheres.

50 A frequência da SII diminui a partir dos 50 anos

As últimas pesquisas são cada vez mais formais: a microbiota intestinal teria um papel chave no aparecimento da SII 6,7 : um desequilíbrio da composição da microbiota intestinal, ou disbiose, é mesmo reconhecida pelos especialistas como uma causa plausível de SII 5. As disbioses devido à toma de antibióticos também estão, da mesma forma, associadas ao desenvolvimento da SII 1

A comunidade científica interessa-se muito pela alimentação no caso da SII. Na verdade, mais de 60% dos pacientes com SII relatam que os seus sintomas apareceram ou se intensificaram após as refeições 8,9. Desta forma, estaremos a falar da hipersensibilidade do intestino. A presença de certos compostos alimentares (trigo, leite...) desencadeia uma resposta exagerada imune ou não imune no intestino 10,11. Além do mais, como a microbiota intestinal é frequentemente influenciada pelos hábitos alimentares, a sua alteração pode levar a uma fermentação anormal dos alimentos ingeridos e ter uma função crucial na distensão intestinal 10.  

A microbiota intestinal

Saiba mais

A SII também é favorecida por eventos traumatizantes ou difíceis (luto, divórcio, abuso, conflitos…), stress agudo ou crónico e outros distúrbios psicológicos: depressão, ansiedade… 1,2,7 Na verdade, eles provocariam alterações ao nível do sistema nervoso entérico que controla a motricidade, a barreira mucosa, a sensibilidade e as secreções intestinais 1.  

A causa da SII é uma falha na comunicação entre o intestino e o cérebro?  

Eixo intestino-cérebro, diz-lhe alguma coisa? O cérebro comunica-se com o (sidenote: O sistema nervoso entérico O sistema nervoso entérico (SNE) é o sistema nervoso próprio do intestino. Composto por uma rede de neurónios que forram a parede do trato gastrointestinal, ele controla a atividade sensorial motora e secretora do sistema digestivo.  Watson C., Kirkcaldie M., Paxinos G. The brain: an introduction to functional neuroanatomy – Chapter 4 - Peripheral nerves. Academic Press, 2010. 43-54 ) nos dois sentidos: o que acontece no cérebro tem impacto nos intestinos e vice-versa. Mas não é tudo: os neurónios situados nos intestinos estão em ligação direta com a microbiota intestinal, fornecendo uma comunicação bidirecional com o nosso sistema hormonal e imunitário.

As perturbações na SII traduzem-se por:  

uma hipersensibilidade intestinal e alterações no controlo da dor ao nível do sistema nervoso central

os movimentos normais do intestino são percebidos pelo cérebro como se fosse uma dor; 

distúrbios do movimento intestinal

os intestinos contraem-se anormalmente;

perturbações do sistema imune intestinal 

(em 50% dos casos), através de um estímulo imunitário excessivo após uma infeção5 ou uma hipersensibilidade em relação a certos alimentos 6

perda da integridade da barreira intestinal

que deixa passar fragmentos de bactérias para fora do intestino provocando uma inflamação crónica difusa 7,12;  

disbiose intestinal

encontrada em 2/3 das pessoas afetadas pela SII. Ela pode estar implicada em todas as perturbações indicadas acima e os sintomas da SII 2,7.  

Quais os principais sintomas da SII? 

Segundo critérios bem estabelecidos, a SII caracteriza-se pela presença simultânea de vários sintomas: dores abdominais e distúrbios do trânsito. Estes sintomas devem ser suficientemente frequentes e antigos (> 1 dia por semana durante os 3 últimos meses) 13,14:  

  • Dores abdominais recorrentes (pelo menos 1 dia por semana);  

  • Dor associada à defecação; 

  • Inchaços; 

  • Alteração da consistência das fezes;

  • Alteração da frequência das fezes.  

Algumas precisões e explicações podem ser úteis! 

As dores abdominais manifestam-se através de espasmos, sensação de ardor ou de tensão, inchaços. Elas situam-se à volta do umbigo, na parte inferior do ventre ou “enquadradas” e parecem seguir o trajeto do cólon. As dores estão associadas à defecação:  elas podem ser agravadas ou aliviadas através da emissão do gás ou das fezes 2.  

As anomalias de consistência e a frequência das fezes vão de muito moles e/ou muito frequentes (do tipo diarreia) a muito duras e/ou muito raras (do tipo obstipação). Os períodos de diarreia e de obstipação podem alternar. Os distúrbios do trânsito acompanham, às vezes, outros desconfortos como desejo urgente de ir à casa de banho, a presença de muco nas fezes ou sensações de evacuação incompleta 5

As alterações da frequência ou da consistência das fezes permitem classificá-las em quatro subtipos:

  • SII-C: SII com predominância de obstipação (pelo menos 1/4 das fezes); 

  • SII-D: SII com predominância de diarreia (pelo menos 1/4 das fezes); 

  • SII-M: SII mista, com alternância entre diarreia e obstipação (pelo menos 1/4 das fezes com obstipação, 1/4 com diarreia). É o subtipo mais frequente (40% das pessoas têm SII); 

  • SII-I: SII indeterminado, que não responde aos critérios SII-C, D ou M: raramente existem fezes anormais 15,16

Note que numa pessoa com SII, o subtipo pode mudar com o tempo 3

Os sintomas da SII possuem gravidade variável de uma pessoa para outra e com o passar do tempo na mesma pessoa 3,5. Eles podem ser de desagradáveis a muito incapacitantes, com formas graves de SII que afetam 20 a 25% dos pacientes 3. Em geral, eles interferem com a qualidade de vida pessoal, social e profissional 1,3

O diagnostico só pode ser realizado por um médico depois de ter sido excluído outro distúrbio digestivo 2. Como não existe atualmente nenhum teste de diagnóstico de SII, os médicos dependem dos sintomas descritos pelo(s) seu(s) paciente(s): na SII, o exame clínico e as imagens estão normalmente normais 3.  

Quais são as perturbações e patologias associadas à SII? 

As pessoas com SII têm uma maior frequência de certas perturbações e patologias.  

  • Outros distúrbios digestivos: Em mais de 20% dos casos, a SII é acompanhada por inchaço, flatulência4, náuseas ou ardor no estômago 16. Certas pessoas apresentariam também intolerância a certos alimentos 5.  

  • Distúrbios psicológicos: Embora possa haver um componente psicológico no início da SII, uma parte dos doentes pode também desenvolver distúrbios psicológicos como resultado da SII 1, tais como ansiedade, stress, depressão, insónia e distúrbios do comportamento alimentar 5

  • Distúrbios geniturinários: A SII pode ser acompanhada de dor pélvica, problemas urinários, dor durante as relações sexuais nas mulheres e disfunção erétil nos homens 4,5

  • Endometriose: Estudos mostram que mulheres com endometriose têm um risco triplo de desenvolver uma SII 17

  • Distúrbios gerais: Certas pessoas com SII apresentam fadiga,sensação de letargia, dores de cabeça e dores musculares 2,4,5. A SII é mais frequente nas pessoas afetadas por fibromialgia e fadiga crónica 1

Síndrome do Intestino Irritável e microbiota: há uma ligação?

Por Pr. Premysl Bercik

Como curar a minha SII?  

Apesar de dolorosa e desagradável no dia a dia, a SII é um distúrbio benigno 2 . Apesar disso, os sintomas de SII devem ser aliviados o mais rápido possível para melhorar a sua qualidade de vida 3. Para o fazer, o seu médico dar-lhe-á conselhos sobre o estilo de vida e recomendará uma combinação ideal de medicamentos e soluções alternativas. Os bons hábitos nutricionais podem reduzir os sintomas da SII.  

Os bons hábitos nutricionais podem reduzir os sintomas do SII 6,18:  

  • fazer refeições em horários regulares e evitar saltar refeições;  

  • evitar refeições "pantagruelianas", alimentos picantes e gordurosos;  

  • mastigar bem a comida;  

  • hidratar-se devidamente;  

  • limitar o álcool, a cafeína e o tabaco;  

  • praticar uma atividade física regular. 

Os medicamentos 

Alguns sintomas da SII podem ser diminuídos com medicamentos prescritos pelo médico: antiespasmódicos, reguladores de trânsito, laxantes no caso da SII-C, antidiarreicos no caso da SII-D e às vezes antidepressivos 9. Entretanto, estes medicamentos não são eficazes em todas as pessoas 16 e atualmente, nenhum deles pode aliviar o conjunto de sintomas da SII. 

As terapias psicocorporais  

Particularmente nas pessoas onde o stress ou a ansiedade exacerba os sintomas, os (sidenote: Os métodos mente-corpo Os métodos mente-corpo são práticas que se concentram nas relações entre o corpo, o cérebro, o espírito e o comportamento assim como os seus efeitos na saúde e nas doenças.  Wahbeh H, Elsas SM, Oken BS. Mind-body interventions: applications in neurology. Neurology. 2008;70(24):2321-2328 )   permitem reduzir as dores e o desconforto dos distúrbios de trânsito: (sidenote: Terapias cognitivo-comportamentais Um tipo de psicoterapia na qual o terapeuta leva o seu paciente a perceber o impacto dos seus pensamentos disfuncionais (errados, negativos) no seu comportamento e bem-estar.   Cuijpers P, Smit F, Bohlmeijer E, et al. Efficacy of cognitive–behavioural therapy and other psychological treatments for adult depression: meta-analytic study of publication bias. The British Journal of Psychiatry. 2010;196(3):173-178 InformedHealth.org [Internet]. Cologne, Germany: Institute for Quality and Efficiency in Health Care (IQWiG); 2006. Cognitive behavioral therapy. 2013 Aug 7 [Updated 2016 Sep 8] ) , hipnose, meditação, relaxamento, (sidenote: Biopedagogia Método que permite, com ajuda de um aparelho especial, aprender a controlar certas funções do corpo tais como o ritmo cardíaco, a pressão arterial e a tensão muscular. Isto pode ajudar a controlar a dor.  https://www.cancer.gov/publications/dictionaries/cancer-terms/def/biofeedback ) ... 16  

Os regimes alimentares 

Muitas pessoas com SII estimam que alguns alimentos agravam ou melhoram os sintomas mas eles não são os mesmos para todos. Os sintomas da SII podem ser melhorados modificando a alimentação mas é preciso fazê-lo sempre com o auxílio de um profissional de saúde (médico, nutricionista) para uma solução personalizada e prevenindo qualquer desequilíbrio nutricional 16.  

Com o seu médico, pode, por exemplo, identificar os alimentos que não "trabalham a seu favor" (leite, trigo, leguminosas, etc.) e limitá-los 9. Também é possível aumentar as fibras na dieta se tiver SII-C - mas não demasiado para não promover a dor ou o inchaço 6.  

As práticas dietéticas moldam a composição da microbiota

Saiba mais

Entre os regimes testados cientificamente para a SII, o regime pobre em FODMAPS (Fermentable Oligosaccharides Disaccharides Monosaccharides and Polyols) parece dar bons resultados 6,16, mas não é eficaz para todos 2. Os FODMAPS são açúcares pouco absorvidos no intestino delgado e fermentados pelas bactérias na microbiota intestinal. Na SII, esta fermentação exacerba o inchaço e a dor.  

A dieta consiste em reduzir drasticamente os alimentos ricos em FODMAP: alimentos que contenham lactose, certos cereais, certas frutas e vegetais, edulcorantes sintéticos, pratos industriais, etc. Potencialmente restritiva, deve ser supervisionada por um médico e seguida durante 4 a 6 semanas. Se os sintomas melhorarem, os alimentos que contêm FODMAPs serão então gradualmente reintroduzidos um a um. Depois, será possível determinar que alimento(s) agravam os sintomas e evitá-los 2,19.  

Probióticos, prebióticos e transplante de microbiota fecal 

Vários estudos salientam a importância da microbiota intestinal no desenvolvimento da SII e mostram diferenças na composição da microbiota intestinal de pessoas com SII em comparação com pessoas saudáveis5. Podem ser propostas soluções para modular a microbiota intestinal de forma a melhorar os sintomas da SII 20.  

Os probióticosmostram como uma opção promissora, segundo os especialistas. Estudos mostram o seu efeito positivo global nos sintomas da SII devido à ação em diferentes mecanismos  como a hiperssensibilidade visceral e a motricidade intestinal 9. Os probióticos podem reforçar a barreira cólica, reduzir a inflamação, melhorar a imunidade intestinal… 20 Alguns podem mesmo atuar no eixo intestino-cérebro e melhorar os sintomas depressivos 9. Todos estes efeitos seriam benéficos para o bem-estar: um estudo recente mostrou que, no prazo de 30 dias, a toma de uma estirpe de bifidobactérias reduziu a gravidade dos sintomas e melhorou a qualidade de vida de 60% das pessoas com SII 21.  

Estudos sobre o efeito dos simbióticos, que associam os probióticos e prebióticos, estão também em curso9 e os primeiros testes de transplante de microbiota fecal trouxeram resultados encorajadores em certos pacientes com SII, com a melhoria dos sintomas e da qualidade de vida 1

O que são exactamente os probióticos?

Saiba mais

Prebióticos: o essencial para os compreender

Saiba mais
BMI 23.11
Fontes

1. Ford AC, Sperber AD, Corsetti M, et al. Irritable bowel syndrome. Lancet. 2020 Nov 21;396(10263):1675-1688
2. SNFGE. Syndrome de l’intestin irritable (SII) [Irritable bowel syndrome (IBS)]. June 2018. https://www.snfge.org/content/syndrome-de-lintestin-irritable-sii
3. CNPHGE.  Syndrome de l’intestin irritable [Irritable bowel syndrome]. https://www.cnp-hge.fr/syndrome-de-lintestin-irritable/
4. Moayyedi P, Mearin F, Azpiroz F, et al. Irritable bowel syndrome diagnosis and management: A simplified algorithm for clinical practice. United European Gastroenterol J. 2017;5(6):773-788
5. Enck P, Aziz Q, Barbara G, et al. Irritable bowel syndrome. Nat Rev Dis Primers. 2016;2:16014
6. Algera J, Colomier E, Simrén M. The Dietary Management of Patients with Irritable Bowel Syndrome: A Narrative Review of the Existing and Emerging Evidence. Nutrients. 2019;11(9):216
7. Hillestad EMR, van der Meeren A, Nagaraja BH, et al. Gut bless you: The microbiota-gut-brain axis in irritable bowel syndrome. World J Gastroenterol. 2022 Jan 28;28(4):412-431
8. Böhn L, Störsrud S, Törnblom H, et al. Self reported food-related gastrointestinal symptoms in IBS are common and associated with more severe symptoms and reduced quality of life. Am J Gastroenterol 2013, 108:634–641
9. Simrén M, Månsson A, Langkilde AM, et al. Food-related gastrointestinal symptoms in the irritable bowel syndrome. Digestion. 2001;63:108–115
10. Cuomo R, Andreozzi P, Zito FP, et al. Irritable bowel syndrome and food interaction. World J Gastroenterol. 2014 Jul 21;20(27):8837-45
11. Hussein H, Boeckxstaens GE. Immune-mediated food reactions in irritable bowel syndrome. Curr Opin Pharmacol. 2022;66:102285
12. INSERM:  La rage au ventre: C’est quoi le syndrome de l’intestin irritable ? [Rage in the belly: What is irritable bowel syndrome?] (Sep 14, 2021) https://www.inserm.fr/c-est-quoi/la-rage-au-ventre-cest-quoi-le-syndrome-de-lintestin-irritable
13. Mearin F, Lacy BE, Chang L, et al. Bowel Disorders. Gastroenterology. 2016;S0016-5085(16)00222-5
14. Drossman DA, Tack J. Rome Foundation Clinical Diagnostic Criteria for Disorders of Gut-Brain Interaction. Gastroenterology. 2022;162(3):675-679
15. Black CJ, Ford AC. Global burden of irritable bowel syndrome: trends, predictions and risk factors. Nat Rev Gastroenterol Hepatol 2020; 17: 473-86
16. Chey WD, Keefer L, Whelan K, et al. Behavioral and Diet Therapies in Integrated Care for Patients With Irritable Bowel Syndrome. Gastroenterology. 2021;160(1):47-62
17. Chiaffarino F, Cipriani S, Ricci E, et al. Endometriosis and irritable bowel syndrome: a systematic review and meta-analysis. Arch Gynecol Obstet. 2021;303(1):17-25
18. Okawa Y. A Discussion of Whether Various Lifestyle Changes can Alleviate the Symptoms of Irritable Bowel Syndrome. Healthcare. 2022; 10(10):201
19. Société Nationale Française de Colo-Proctologie [French National Society of Coloproctology]: Régime pauvre en FODMAPs [Low FODMAP diet] (December 2021) https://www.snfcp.org/informations-maladies/generalites/regimes-pauvre-en-fodmaps
20. Simon E, Călinoiu LF, Mitrea L et al. Probiotics, Prebiotics, and Synbiotics: Implications and Beneficial Effects against Irritable Bowel Syndrome. Nutrients. 2021;13(6):2112
21. Sabaté JM, Iglicki F. Effect of Bifidobacterium longum 35624 on disease severity and quality of life in patients with irritable bowel syndrome. World J Gastroenterol. 2022 Feb 21;28(7):732-744

    Leia também