O mundo microbiano no interior da sua máquina de lavar a loiça

Vários estudos demonstraram que as bactérias e os fungos colonizam uma grande quantidade de objetos do dia-a-dia: desde a máquina do café à máquina de lavar, os microrganismos estão em todo o lado. É por isso que uma equipa internacional se focou nos microrganismos presentes na máquina de lavar a loiça e no seu potencial impacto na nossa saúde.

 

A máquina de lavar a loiça faz parte do nosso dia-a-dia e abriga uma comunidade microbiana que quase não foi estudada. No seu interior, os germes crescem em condições hostis criando, portanto, preocupações quanto a uma possível contaminação dos diferentes itens que foram lavados e ao potencial impacto na nossa saúde. Para avaliar este impacto, os investigadores extraíram as borrachas vedantes de 24 máquinas de lavar a loiça de casas particulares. A frequência de utilização, a idade do aparelho e a dureza da água são fatores que têm influência nos germes e que foram considerados durante a análise das diferentes espécies presentes.

A vida em habitats extremos

Apesar das condições extremas, as bactérias nocivas mais resistentes e os fungos desenvolveram-se nos componentes de metal e plástico e nos vedantes de borracha das máquinas de lavar a loiça. Sobreviveram a períodos secos alternados com períodos de humidade, a rápidas alterações de temperatura durante os ciclos de lavagem que atingiram os 74°C, ao contacto com detergentes alcalinos ou mesmo ao stress da tensão provocada pelos jatos de água. Como sobrevivem a esta inundação? Graças à resistência adquirida durante a formação de uma camada protetora designada por “biofilme”. Alguns micróbios são encontrados em todas as amostras: a maior parte deles são típicos de ambientes extremos (resistência à radiação UV, à temperatura e pH elevados, à presença de metais pesados como o arsénio); e estão aptos a sobreviver por degradarem moléculas complexas que podem ser encontradas, entre outros, nos detergentes.

Bactérias causadoras de doenças?

Os investigadores também encontraram microrganismos que são parte da microbiota humana (intestinos, pele), que provavelmente tiveram origem na pessoa que utilizou o aparelho, e cuja aptidão para viver em ambientes extremos advém da formação de um biofilme protetor. Entre eles, as amostras revelaram vários germes patogénicos: o fungo Candida é o mais abundante e as bactérias Escherichia, Shigella e Pseudomonas foram encontradas em cerca de dois terços das máquinas de lavar a loiça. Todos estes germes potencialmente patogénicos, que pertencem à nossa flora intestinal, podem estar envolvidos em doenças intestinais por vezes severas. Apesar dos seus malefícios não terem sido avaliados neste estudo, a sua presença pode ser uma potencial fonte de infeções domésticas.

 

Fontes:

Raghupathi, P. K. et al. Microbiomes in Dishwashers: Analysis of the microbial diversity and putative opportunistic pathogens in dishwasher biofilm communities. Appl. Environ. Microbiol. (2018). doi:10.1128/AEM.02755-17